Venha compartilhar um pouco do trabalho que realizo como historiador e professor da cidade de Cotia. Mergulhe no passado das pessoas que construiram este lugar, recorde fatos marcantes que deram identidade cultural a esta cidade.

quarta-feira, 6 de julho de 2016

EU...


                                                       “Se for falar de mim me chame, sei coisas terríveis ao meu respeito” - Tati Bernardi
Ultimamente ando brigando muito contra o meu eu. Eu falo. Eu faço. Eu quero fazer. Eu quero mandar. Eu quero assim do meu jeito. Eu sou assim. Enfim, “eus” que não acabam mais. Eus! Estes “eus” são tão sozinhos! Estes “eus” não agregam, separam. Egoísmo puro. Egocentrismo.

Será que precisamos de tantos “eus” para nos autoafirmarmos?  Será que precisamos destes “eus” para sermos felizes? Será possível ser feliz sozinho? Estes “eus” narcisistas impedem que possamos viver coletivamente. O “eu” exagerado no dia a dia tem dificultado a convivência entre as gentes. É um tentando passar a perna no outro. É um Deus nos acuda. A ética que exigimos do outro passa longe do nosso “eu” autoritário. Uns “eus” que não conseguem enxergar o outro. Não pode dar certo.  
Eu falo o que penso, mesmo... Na lata! Não estou nem aí! Fodam-se os outros. Eu sou mais eu! Pensar e agir desta forma é achar que o mundo tem que girar em torno de si. Não confunda a pessoa autêntica com aquela a quem falta educação. Quem fala e agride os outros, desrespeitando-os, é simplesmente um individualista. Não constrói. Divide e afasta.

Todo dia encontramos gente sofrendo de quase tudo por não saber lidar com seus “eus” doentios. É comum o egocêntrico achar defeito em tudo. Achar defeito nos inimigos e amigos. Este cara é aquele que não consegue se enxergar. Enxerga seus defeitos nos outros. É rapidinho para apontar os defeitos dos outros. Bem rápido para colocar qualquer um para baixo. Por outro lado, ser um pouquinho egocêntrico não é tão ruim assim: funciona como forma de defesa. O que não é saudável é justificar seus fracassos e medos usando seus “eus” para esconder-se de quem realmente é.


Os “eus” sem noção são aqueles chatos que quase ninguém aguenta ficar perto. É o sabe-tudo. É aquele que começa uma conversa e fala sozinho. Uma fala sem vírgula e ponto final. Chuta a bola no escanteio, cabeceia e marca o gol e ainda pergunta sua opinião. Não é fácil. Gente assim é difícil de entender a dor do outro. Entende só da sua dor. É gente que precisa de cuidado. Interrompendo a sua fala eu...